Os ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Economia (ME) e da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) lançam, nesta quinta-feira 3, o edital do programa Agro 4.0, que recebe inscrições até o dia 26 de setembro. Serão investidos R$ 4,8 milhões em 14 projetos-pilotos de adoção e de difusão de tecnologias 4.0.

Acesse o webinar de lançamento do edital do Programa Agro 4.0.
O objetivo do programa é promover, por meio dessas tecnologias, o aumento de eficiência e de produtividade, e redução de custos no agronegócio brasileiro.
O edital, na modalidade concurso, é voltado a empresas usuárias de tecnologias 4.0 do setor produtivo, especialmente, produtores rurais e agroindústrias, que irão realizar a adoção de tecnologias 4.0 em suas unidades, fazendas ou plantas. Essas empresas poderão submeter propostas de projetos em parceria com demais Instituições.
Segundo o secretário-adjunto de Inovação, Desenvolvimento Rural e Inovação do Mapa, Pedro Correa Neto, a agricultura digital é uma das prioridades de inovação para o Mapa e o Programa Agro 4.0 é um dos grandes promotores de difusão de tecnologia no ecossistema do agro. “Ações como essa fortalecem a rede de inovação no agronegócio brasileiro, conectando soluções desde os produtores rurais até as startups, incrementando as ações por meio de conectividade, internet das coisas, aprendizagem virtual, blockchain e inteligência artificial”, diz.

“Este programa é mais uma iniciativa do Governo Federal em benefício do Agro. É fundamental estimular o ambiente de inovação digital no agronegócio através de soluções práticas e aplicadas às cadeias de valor, nos setores. Estamos alavancando o futuro da agricultur no País. Os Ministérios unidos, trabalhando pelo bem dos brasileiros, é uma parceria certeira, que gera resultados ”, avalia a Deputada Federal do Paraná, Aline Sleutjes.

“O Programa Agro 4.0 vai possibilitar e gerar uma maior disseminação de tecnologias digitais no agronegócio, com foco em aumento de eficiência, produtividade e redução de custos junto a produtores e indústrias”, enfatiza Igor Calvet, presidente da ABDI.

Temáticas
Ao todo, o edital contempla quatro categorias, relacionadas à cadeia produtiva do agronegócio, incluindo empresas dos setores primário, secundário e terciário. Para cada categoria, foram identificadas temáticas de aplicação que deverão estar alinhadas aos projetos: (i) segmento de insumos (fertilizantes, defensivos, rações, máquinas e equipamentos); (ii) segmento primário (agricultura, pecuária, pesca, aquicultura); (iii) segmento secundário (fabricação de produtos alimentícios); e (iv) integração de segmentos, incluindo segmento terciário (integração de elos da cadeia – abrangendo serviços de tecnologia da informação e comunicação, logística, entre outros).
A premiação varia de R$ 300 mil para até quatro projetos nas categorias 1, 2 e 3; a R$ 600 mil para até dois projetos na categoria 4. Os projetos selecionados serão conhecidos ainda em 2020 e terão, a partir da divulgação, um prazo de sete meses para a execução e outros 12 meses para o monitoramento dos resultados.
Previamente ao lançamento do edital, foi realizada uma consulta pública com ampla participação dos setores relacionados ao agronegócio e mais de 80% dos contribuintes manifestaram interesse em participar do edital.


Fonte: AGRONEWS, com informações da ABDI e Assessoria.

Subscribe
Notify of
guest